domingo, 15 de janeiro de 2012

Futuro da Animação...

A Licenciatura e os Mestrados dão uma nova dimensão educativa e social aos Técnicos Superiores de Animação. Abrangendo uma diversidade de competências, possibilitam uma maior dimensão qualitativa e quantitativa no desenvolvimento de projectos sociais, educativos e culturais.

Não descurando um olhar analítico sobre as novas oportunidades da intervenção comunitária no domínio Animação Sociocultural, a Licenciatura e o Mestrado proporcionam aos Técnicos Superiores de Animação poder intervir em diversos contextos:

  • Centros culturais, artísticos, museus, bibliotecas e ludotecas;
  • Centros de educação e interactivos de Ciência e Tecnologia;
  • Centros de formação artística;
  • Centros de ocupação de tempos livres;
  • Empresas de divulgação e animação cultural;
  • Empresas de turismo e outras áreas de desenvolvimento regional;
  • Espaços teatrais;
  • Extensões educativas e de lazer de Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia;
  • Apoio artístico e científico a jardins-de-infância e a escolas;
  • Instituições de solidariedade social;
  • Parques naturais e de ciência e tecnologia;
  • Quintas pedagógicas.

Os Mestrados vem proporcionar o desempenho de funções de criador, gestor, produtor ou performer em autarquias, fundações, museus, bibliotecas, empresas de produção artística e cultural, colectividades de ocupação de tempos livres, serviços educativos, empresas turísticas, instituições particulares de solidariedade social, centros de educação e formação de adultos, associações culturais e recreativas, de desenvolvimento local e comunitário, públicas ou privadas. Este Mestrado complementa as funções dos Técnicos Superiores de Animação na área artística ao nível de Criador Artístico, Director Artístico, Performer, Produtor de Eventos Culturais e Programador Artístico.

Indubitavelmente que é importante uma relação de proximidade entre as instituições de ensino superior e o mercado de trabalho, pois só assim saberão as necessidades do mercado e, consequentemente, as novas oportunidades de emprego.

Porque o mercado de emprego exige excelência e a excelência exige especialização em diferentes domínios.

Reunir um maior conhecimento científico e técnico da área de Animação, contribui para o Animador encontrar uma relação entre a área educativa e área artística, originando assim uma nova compreensão e solicitação social e empresarial.

   Um dos desafios mais difíceis e ao mesmo tempo mais desafiantes que se deparam à formação académica e regulada de animadores socioculturais é a de como afrontar o encontro entre o dinamismo, a versatilidade, a flexibilidade, a abertura, a implicação e a “practicidade” que são consubstanciais à tarefa destes agentes, e as exigências próprias (por vezes, espartilhos) das estruturas académicas de formação.” (Trilla 2004;p.7)

Só os cursos superiores de Animação Cultural facultam aos futuros Técnicos Superiores um conjunto de competências técnico-científicas para a intervenção nas diferentes realidades sociais e culturais, estimulando a participação activa e atitude crítica.

Os Técnicos Licenciados, ou detentores de Mestrado, tornam-se, assim, elementos essenciais no desenvolvimento das instituições e do próprio ser humano, marcando a diferença entre as licenciaturas e os cursos técnicos profissionais de Animação.

O Técnico Superior de Animação necessita de competências instrumentais, interpessoais e sistémicas que só são adquiridas com uma formação especializada, assim, para se conseguir exercer um bom trabalho e corresponder aos desafios e expectativas institucionais, as funções inerentes à animação cultural, que pela sua complexidade técnico-científica e de domínio de metodologias de investigação e intervenção sociais, devem ser exercidas apenas por profissionais devidamente “habilitados”, Técnicos Superiores de Animação.

Na minha experiência profissional actual, no Agrupamento de Escolas Faria Vasconcelos, como Técnico Superior de Animação, num Projecto TEIP, a Animação na Escola veio dar uma nova dimensão social, educativa e pedagógica, tornando-se uma mais-valia para todo o Agrupamento.

Aos Técnicos Superiores de Animação cabe sensibilizar os alunos para a importância da Escola não só como um local de aprendizagens formais, mas também onde podem aprender “brincando”.

Através de uma metodologia lúdica, são transmitidos valores sociais, afectivos e comportamentais, desenvolvendo competências sociais e educativas que contribuem para desenvolver a auto estima e autonomia das crianças.

As actividades desenvolvidas, nomeadamente as actividades de grupo, permitem a aceitação e a compreensão da diversidade social e cultural. Através da promoção e integração social das crianças minimizam-se as situações de marginalização social e de abandono escolar.

Dispondo de mais recursos humanos qualificados é possível melhorar o nível de apoio pedagógico e promover o sucesso educativo.

A presença de Técnicos Superiores de Animação valoriza socialmente a imagem do Agrupamento e promove a interacção com os encarregados de educação, e com a comunidade em geral, minimizando situações de isolamento geográfico e cultural das crianças.

Ao nível da Família e comunidade, aumenta a diversidade de serviços e proporciona mais ofertas educativas: complementa a falta de disponibilidade dos pais; promove a articulação entre o Agrupamento e a Família e valoriza as actividades dos seus educandos.

Devido às metodologias inerentes à Animação Cultural, a integração de Técnicos Superiores de Animação nas escolas vem dar uma perspectiva positiva da Escola, associando-a a uma componente mais recreativa – a Escola também pode ser divertida.


Sem comentários: